June 22, 2010

Internacionalmente absurdo!

Os nossos absurdos foram seleccionados pelo site http://www.travelavenue.com/ no âmbito do programa "Favorite Blog 2010"! Mais absurdo do que isto é complicado!

Brevemente poderão visitar o site e encontrar lá alguns dos nossos posts!

March 2, 2010

February 20, 2010

Pelos domínios da Pachamama

Com uma vontade tremenda de seguir pelo país boliviano (já com centenas de bolivianos no bolso!), encontrávamo-nos finalmente a caminho de uma das maravilhas naturais deste continente, o Salar de Uyuni.

De Tupiza à cidade que dá o nome ao Salar sao cerca de 200km em terra batida, e parte do trajecto cruza o deserto de Soloni.


Demorámos 6 horas a percorrer esta distancia em jipe colectivo, prática muito comum por estas bandas. Quando o condutor (que muitas vezes vive deste negócio) encontra pessoas para viajar na direccao em que vai, segue caminho. Geralmente com o carro cheio. Há lugares em que nem há alternativa. Tem de se tomar um colectivo si o si.

Tivemos dois furos. Para o segundo os nativos que iam a bordo tiveram de improvisar um remendo. Enquanto as donzelas disfrutavam o deserto...

Entrada triunfal na Bolívia

Mesmo antes de cruzarmos a pé o paço fronteiriço La Quiaca-Villazon apercebemo-nos de que estávamos a passos de entrar noutro mundo. Seguíamos as cholas, mulheres indígenas, com as suas mantas coloridas às costas e tranças compridas. Foi comico perceber que a fronteira nao era mais do que todos nos diziam em Salta. Uma ponte.

Já no terminal de buses do lado boliviano fomos abordadas por 3 ou 4 nativos. A um ritmo acelerado diziam em voz alta (para nao dizer berrar) possiveis destinos que nos interessassem. “La Paz, La Paz”, “Uyuni, Uyuni”. Depois de negociarmos (estavam claramente a praticar um preco argentino), lá nos metemos num bus em direccao a Tupiza.

O primeiro contacto com as estradas e buses bolivianos diz muito do país. O bus so partiu quando estava cheio. Varias pessoas viajaram de pé. Nao havia wc nem paragens… um verdadeiro filme realizamos por termos vontade!... A estrada ate Tupiza é de terra. Alturas ha em que nem se percebe o caminho. É um campo de terra! O bus anda sempre aos solavancos. Fazia calor, e ainda nao estavamos habituadas aos cheiros corporais.

Era domingo. Em Tupiza nao há caixas multibanco. Ainda nao tinhamos levantado bolivianos (moeda local), e tao pouco nos tinham sobrado pesos. Nao tinhamos nem um centavo. E comia-se por 1 euro… Salvou-nos a boa vontade do dono do hostel para pagarmos no dia seguinte, o arroz, a lata de atum, o chá e o café que ainda tinhamos dos tempos em que Navimagámos, e claro… o mate!

February 9, 2010

January 26, 2010

30 dias à chilena!

É impressionante como dois países que crescem lado a lado conseguem ser tao diferentes.

O Chile é o país mais comprido do mundo, cerca de 4300 kilometros de comprimento, por 175 kilometros médios de largura. So há duas coordenadas. Norte e sul.

Nao podia ser mais rico e diversificado em termos paisagisticos. Desde o gélido sul ao tórrido norte, passando pela regiao dos lagos, vulcoes e pela praia. E claro, as montanhas andinas sempre à espreita.

Políticamente divide-se em 15 regioes. O Piñeira acabou de ganhar as eleicoes. Sucede à mulher que convenceu os chilenos.

O seu falar e bem cantadito, acelerado, cheio de modismos (expressoes/palavras proprias) e por isso, para estrangeiros nao tao dotados como nós para as linguas, chega a ser impossivel percebe-los. Sao mais modestos que os argentinos, mais desordenados, e mais feios tambem. Mas o seu riso de gozo nao tem concorrente! E nós agora só nos queremos rir assim!

Em termos gastronómicos nao é muito tradicional (e há uma certa tendencia para tomarem como seu o que é genuinamente peruano). Come-se muita papa (batata), empanadas, marisco (também cru), completo (cachorros) e churrascos (um equivalente ao prego portugues, mas mais rico po!). Comem abacate todos os dias, com o que for. Havia salmao, mas foi todo exportado para o Japao.

De tudo um pouco se vende nas ruas. Fruta, empanadas, sumos naturais, brinquedos pequenos, pilhas, telemóveis e afins, acessórios de moda... ah, e sopaipillas em todas as esquinas (tipo fartura em forma de bolacha, e mais gordurosa).

Bebe-se cerveja, e dizem que o seu vinho é melhor que o Argentino. Travam facilmente este tipo de quezilias com os seus vizinhos. Na verdade, tambem o Perú e a Bolivia lhe tem algum ressentimento desde o tempo da guerra do Pacifico, altura em que o Chile retirou o acesso marítimo à Bolivia e se instalou no entao sul peruano. Nesta mesma época, a Argentina, aproveitando-se do facto das tropas estarem concentradas a norte, avançou para a parte mais interessante da Terra do Fogo.

Metade das piadas sao com peruanos, sao muitos em territorio chileno.

Tal como na Argentina, a sua rede de autocarros é bastante funcional. Há imensas compahias a fazer o mesmo servico. E os terminais sao de tal forma gigantes que no ínicio da viagem perdiamo-nos a averiguar qual era o servico que mais nos convinha. Passado 4 ou 5 viagens de bus já eramos experts. Chegavamos ao terminal, dirigiamo-nos para as oficinas e separavamo-nos. Cada uma ia para seu lado. Encontravamo-nos no meio, discutiamos as opcoes e iamos sempre pelo melhor negocio.

A moeda é o peso chileno. Um euro equivale a cerca de 780 pesos. Um churrasco ou dois completos com bebida podem custar 1000 pesos, ou em giria chilena 1 luca. Os precos sao ligeiramente superiores aos da Argentina, com a excepcao dos bilhetes de camioneta que sao mais baratos.

Segundo Bucas e Mucas as 7 maravilhas chilenas sao:
1. Valparaíso;
2. A ilha de Chiloé;
3. Experiencia Navimag;
4. Parque Nacional Torres del Paine;
5. Pablo Neruda;
6. Os modismos e o riso chileno;
7. Os deliciosos churrascos as tantas da manha.

Palavras-chave: cachai?, carretear, palta, churrasco, polola, completo, choro, oié, hueon, po!

34 dias à argentina!

Viajar pela Argentina era há muito um sonho. Podemos dize-lo, porque o era. Tudo comecou nos "Diarios de motocicleta" do Che, e logo tivemos ganas de partir tambem à descoberta da Patagónia. Talvez a longa espera à qual nos sujeitamos antes de cruzar o Atlantico tenha contribuido para que a Argentina nos tenha conquistado tao facilmente. Ou nao. Este pais tem mesmo muito para oferecer.

O seu territorio é extenso. De Portugal a Dinamarca. Enorme. Mas bem pouco povoado. Cerca de 40.000, sendo metade vive na provincia de Buenos Aires. Em autocarros que parecem avioes (servem-nos vinho e tudo!) viaja-se centenas de kilómetros sem encontrar nenhum pueblo. Em termos geográficos pode-se agrupar em quatro paisagens predominantes: os Andes, o Norte e a Mesopotamia, as Pampas e a Patagónia. Políticamente divide-se em 23 regioes mais uma, a da Capital Federal de Buenos Aires.

O povo é extremamente simpático, afável, confiante e bueno… irresistivel. O sotaque é dos mais engracados (uma vez, acabadinhas de chegar ao Chile perguntaram-nos se eramos argentinas. Amámos, porque os "x's" conquistaram-nos.).“Os argentinos falam espanhol como italianos, vestem como ingleses e pensam que sao franceses”. Efectivamente, julgam-se os melhores em tudo. Na carne, no chocolate, no vinho, promovem as suas montanhas, cactos, glaciares e lagos como se fossem únicos, quando muitas vezes os paises vizinhos possuem riquezas similares. Mas uma coisa é certa... os argentinos tem um “je ne sais quoi” especial, e encantaram-nos com a sua lábia!

Aqui se saboreia a carne a melhor do mundo (para que nao restem dúvidas!). Várias foram as vezes em que comprámos carne no supermercado para grelhar ou assar. Nao adicionavamo-nos nada, tao pouco utilizavamos uma tecnica especial, a carne é simplesmente rica. Ponto.

Dos tempos das migracoes italianas ficou a gastronomia. 10 refeicoes semanais sao a base de carne, e quatro sao pastas ou pizzas. Nao se safam nada mal com a comida italiana, mas superam-se com as empanadas! Nunca comem peixe. Nem sopa.

Bebe-se cerveja e vinho. Fomos fiel a Quilmes, ao San Telmo (que tem uma botella tao elegante!), e ao Malbec sempre que a carteira o permitia. E depois há sempre o Mate. E o seu ritual de partilha. Com frequencia se encontra artesaos e estudantes com o seu kit (termo com agua quente, mate (a cabaca), boquilha e a erva) na rua.

Ouve-se reggaeton. Baila-se reggaeton. E outros ritmos latinos que todos associamos a este continente.

Um peso argentino (finais de 2009) equivale a 20 centimos de euro. Uma noite num hostel varia entre os 25/45 pesos. Um bom jantar num restaurante acolhedor 50 pesos a cabeca. Uma cerveja de litro num bar 15/20 pesos.

Ah, e as Malvinas sao Argentinas! (Nao podem ter nocao como este é um assunto delicado…)

E segundo Bucas e Mucas, as 7 maravilhas argentinas sao:

1. Parque Nacional Los Glaciares;
2. Salta! O norte argentino;
3. Buenos Aires;
4. Bariloche e a regiao dos lagos;
5. O Bife de Chorizo (que surpresa!);
6. O sotaque argentino;
7. Os argentinos.

Palavras chave: boludo(a), re(antes de qualquer adjectivo), parrilla!, buena onda, viste, mate.

Nota de autor: Foz do Iguacu, em breve te visitaremos, e temos a certeza que serás tambem tu digna de um premio! Argentina... voltaremos! :)

January 6, 2010

ARTentina


Bife de chorizo!

Uma das nossas primeiras refeições na Argentina (a primeirissíma foi o não menos delicioso bifecito!). E a última.

Sabemos que não nos cansamos de falar dele. E nem assim hão de perceber do que falamos. Ele é suculento e saboroso. Ele é único, inconfundivel! Até o provarem não podem dizer que comeram a melhor carne do mundo. Nós podemos!

O drama argentino

Quando aterramos em Buenos Aires percebemos logo que tinhamos de coleccionar moedas. Apesar do seu valor baixo comercial, elas têm um enorme utilidade. Só se pode pagar o bilhete de colectivo (bus) com moedas. Ponto. É um drama. Porque toda a gente quer moedas, e ninguem as dá. Na estação férrea suburbana da capital argentina, pode-se trocar 20 pesos argentinos em moedas, uma vez por dia. Basta aguardar na fila gigante.